IRM

O álbum IRM da Charlotte Gainsbourg com produção e participação especial do Beck, é de 2009, mas recomendo-o.

Download de IRM aqui.

Psycho

Novo vídeo da cantora irlandesa Imelda May.

A senhorita em questão faz um rockabilly com influências de jazz e blues.

Em seu repertório, covers e canções de sua autoria.

Bright Lights Fading

Bela música do álbum “Year Zero” do Slam.

“Bright Lights Fading” (Death In Vegas Mix) featuring Billie Ray Martin.

Pásion

“As pessoas podem mudar tudo: de cara, de casa, de família, de namorada, de religião, de Deus, mas há uma coisa que não se pode mudar, Benjamín. Não se pode trocar de paixão.”
Frase histórica do personagem Pablo Sandoval (Guillermo Francella), no filme “O segredo dos seus olhos”.

Trent Reznor

Após alguns anúncios, eis que temos “A Drowning”, a nova música de Trent Reznor (NIN) com a sua esposa Mariqueen Maandig no projeto How To Destroy Angels. A produção é do britânico Alan Moulder, que faz parte do projeto Curve com a bela Toni Halliday.

Little Lost

Fui descobrir o trabalho do americano Arthur Russel, somente ano passado, devido ao lançamento de um documentário “Wild Combination: a portrait of Arthur Russell”.
Ao ouvir a bela “Little Lost” fui logo atrás de descobrir mais sobre o rapaz de voz sussurrada, violoncelista de formação clássica e que fazia um som experimental, flertando com folk, jazz e música pop.
Mas Mr Russel também se aventurou pela disco e a house de NY, com os projetos Dinosaur L (tendo como um dos integrantes David Byrne do Talking Head) e Loose Joints. A faixa “Is It All Over My Face” ganhou remix da lenda Larry Levan.
Infelizmente ele faleceu aos 40 anos em 1992, devido a complicações causadas pelas AIDS.

“Little Lost”

Leo Felipe fez um relato bem detalhado sobre Arthur Russel para o site Rraurl. Leia aqui.

Amigo

Soneto do amigo

“Enfim, depois de tanto erro passado
Tantas retaliações, tanto perigo
Eis que ressurge noutro o velho amigo
Nunca perdido, sempre reencontrado.

É bom sentá-lo novamente ao lado
Com olhos que contêm o olhar antigo
Sempre comigo um pouco atribulado
E como sempre singular comigo.

Um bicho igual a mim, simples e humano
Sabendo se mover e comover
E a disfarçar com o meu próprio engano.

O amigo: um ser que a vida não explica
Que só se vai ao ver outro nascer
E o espelho de minha alma multiplica…”

Vinicius de Moraes